30 outubro 2011

De mansinho...

Ultimamente tenho tido dias bem turbulentos, tudo bem que a maioria não foi assim, mas o cansaço tem sido tanto e os problemas tão pesados, que os dias "normais" não têm tido forças para se destacarem.
Sinto a "era de aquário" indo embora bem de mansinho, mas ela deixa resquícios e isso me assusta um pouco. Diariamente a vida está me mostrando caminhos, me dando suportes para não cair, mas a areia desse terreno ainda é movediça.
Tenho evitado ser repetitiva, talvez para não manter o problema por perto o tempo todo, mas o equilíbrio ainda se mantém distante e meus músculos fazem questão de confirmar isso. Assim como estou evitando os parenteses, o caps lock, as exclamações, as vírgulas e os advérbios. Exceto por uma coisa, estou doida para libertar o "ultimamente" da minha boca e não o escravizei por querer, mas ainda preciso de sua presença para iniciar algumas frases.

Poderia destacar alguns nomes que estão sendo importantes nesse momento e que sempre serão, mas irei ser repetitiva mais uma vez, pois alguns são mais do que conhecidos já que são complementos da minha alma, são partes de mim em outros corpos, são minhas necessidades tais como o ar, a água e o alimento.
Alguns "intermediários" também têm sido fundamentais, pois o cuidado e o que me tem sido apresentado tem feito toda diferença em vários momentos.
Sem contar com quem deixei entrar e tem me deixado mais leve com suas palavras de conforto, com sua solidariedade, com a fé que me transmite, com seu caloroso abraço (que eu retribuo de modo desajeitado) e com sua firmeza.
Privo alguns que leem essa postagem de saberem quem são essas pessoas, mas, apenas, para que cada um deles leia e se encontre entre essas palavras, que seja possível tocar a cada um como tenho sido tocada.

Vamos esquecer um pouco do dicionário e ampliar o sentido da palavra amor, pois nesse momento é ela que me direciona e atinge tudo isso que aqui coloquei, direta e indiretamente.




Vida – é o Amor existencial.
Razão – é o Amor que pondera.
Estudo – é o Amor que analisa.
Ciência – é o Amor que investiga.
Filosofia – é o Amor que pensa.
Religião – é o Amor que busca Deus.
Verdade – é o Amor que se eterniza.
Ideal – é o Amor que se eleva.
Fé – é o Amor que se transcende.
Esperança – é o Amor que sonha.
Caridade – é o Amor que auxilia.
Fraternidade – é o Amor que se expande.
Sacrifício – é o Amor que se esforça.
Renúncia – é o Amor que se depura.
Simpatia – é o Amor que sorri.
Trabalho – é o Amor que constrói.
Indiferença – é o Amor que se esconde.
Desespero – é o Amor que se desgoverna.
Paixão – é o Amor que se desequilibra.
Ciúme – é o Amor que se desvaira.
Orgulho – é o Amor que enlouquece.
Sensualismo – é o Amor que se envenena.
Finalmente, o Ódio, que julgam ser a antítese do Amor, não é senão o próprio Amor que adoeceu gravemente.

Francisco Cândido Xavier